segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Bagunça pouca era bobagem ( Casa da Rose - meados dos anos 80)

Lá no alto, de pé: uma colega da Rose do 28 de Julho ( esqueci o seu nome), Fran ( com uma frigideira na cachola), a anfitriã Rose ( adorando a bagunça), Wirtão ( com um molho de tomate Elefante nas mãos) e Rica ( com um bule no cucuruto); embaixo: Rogério ( com um capacete "escorredor de macarrão"), eu ( com uma bacia a la Menino Maluquinho) e um fulano por último, escondido entre panelas ( Tico? Fabinho?Lupa?)
Essa foto em termos de qualidade está uma bela porcaria ( consegui a cópia da cópia com o irmão da Rose, o Sílvio, há uns tempos atrás) mas não pode ficar de fora do Entupa Blog. Simplesmente porque ela retrata fielmente uma época em que atingimos o auge de bagunças, estrepolias, festas, fuzuês e algazarras. Mas que fique bem claro, uma grande "bagunça do bem", sem sacanagem, sem química pesada, sem arruaça ou baderna. Um dos points recorrentes nesta metade da década de 80, além do velho Ponto de Táxi/Canoa, foi a casa da Rose Fantinatti na Rua Antônio Garbelotto ( assim como um pouco antes foi a casa da Cristiane Jordar). Tudo começou quando uns e outros da Turma do Ponto começaram a chamar a Rose e ficar por ali, sentados na calçada. Logo formou-se uma "multidinha" de vinte pessoas frequentando sua calçada. Seus pais no início bronquearam, mas quando perceberam que éramos "birutas", mas do lado bom da força, não só abriram as portas da casa pra nós, como nos trataram com muita dignidade. Chegaram a deixar a chave da casa pra nós quando viajavam, pra tomarmos conta. E tomávamos conta direitinho mesmo, mas como a idade pedia, com bastante bagunça, daquelas de crianças grandes: sessão de cinema, muita pipoca, algumas caipirinhas, um entra e sai sem fim, a posse do Atari do irmão da Rose e claro, o som ambiente no talo. A vizinhança adorava!!!! entre os frequentadores mais assíduos, Rogério, Zequinha, Lupa, Tico, Pulinão, Wirtão, Rica, eu, Desirée, Fran, Fabinho, Adri, Suzete, Pulininho e alguns colegas da classe da Rose do 28. A casa da Rose foi por um bom tempo, nosso "segundo lar, doce lar".
(resolvi publicar a foto desse jeito mesmo, mas ainda vou atrás da foto original, pra que a cena fique mais nítida - Rose, me ajuda nessa, pois eu acho que está ainda com seu irmão).

2 comentários:

  1. A Desirée, por e-mail, acha que a moça que eu esqueci o nome é a Dri Mazucatto.Para ela, mesmo não estando nítido,o jeitinho é o mesmo da sua ex-colega de classe. Valeu a intervenção, Dê!

    ResponderExcluir
  2. Houve uma época em que o pessoal alugava fita de Atari na rua Taipas. Céus! Como se chamava a locadora? Ficava numa salinha onde hoje tem a DiviSom embaixo.

    ResponderExcluir